Wednesday, January 29, 2014

Gravidez na França

Assim que descobri a gravidez, fiquei um pouco nervosa. Além de mãe de primeira viagem, eu teria um filho fora do meu país, longe das famílias, sem nenhuma indicação de médico ou maternidade. Eu e Fábio estávamos sozinhos nessa. Depois de muito Google e coleta de informação com amigos, colegas de trabalho, fulano que conhece fulanao, etc, entendi o esquema e me encontrei. Eu acho, hehe. 

Como não tenho nenhum médico em Grenoble, decidi ser acompanhada pelo hospital onde escolhi ter o baby. Optei por uma maternidade com uma ótima reputação e que fica a 15 minutos a pé da minha casa. Perfeito! É o mesmo hospital em que o Schumi está internado. 

Tive minha primeira consulta lá no fim do primeiro trimestre. E quem me atendeu não foi um médico, mas uma sage-femme. Esta profissão não existe no Brasil, mas é super comum por aqui, então explico: é um profissional que frequenta a universidade por 5 anos, tem formação médica, pode acompanhar toda uma gravidez, prescrever medicamentos, fazer exames e fazer o parto. Sim, o parto. É uma pessoa totalmente especializada na gravidez.  Claro que voce pode escolher ser acompanhada por um médico, no meu caso é porque estou fazendo pré-natal direto no hospital, entao é sage-femme. Quanto ao parto, acho que é regra geral, o médico só faz se for uma gravidez de risco ou se precisar usar algum instrumento, tipo fórceps ou ventosa. E, claro, se for cesárea, mas aí estamos falando de uma cirurgia, então é coisa para médico mesmo. 

Ah, só um adendo, aqui a regra é parto normal. Não existe isso de escolher fazer cesárea. A cirurgia é só para caso de risco. Quando falo risco, é perigo de verdade, não é como no Brasil, onde o número de cirurgias é exorbitante e os médicos inventam qualquer desculpa para a "necessidade" de uma cesárea. Aqui eles acreditam que o corpo da mulher ainda é capaz de parir. Isso me deixa mais tranquila, pois tenho pavor só de pensar numa cesárea. E sei que se eu tiver que fazer uma posso confiar que é por real necessidade.

Entao vai ser assim: todo mês terei uma consulta com a sage-femme. Lá pelo oitavo mês, uma consulta com um médico. E lá pelo sexto mês começarei a participar de sessões extras com sage-femme para me preparar para o nascimento do baby. As sessões são temáticas e envolvem assuntos como a dor, a anestesia, a respiração, o dia do parto, a amamentação, etc. E ainda aprenderei exercícios para ficar relaxada, massagens que o papai Fábio pode fazer em mim, tudo para que eu tenha um parto bacana. Ah, e o marido pode ir a todas estas sessões também.

Na minha última consulta com a sage, estava na 13a semana de gravidez e fizemos uma ultrasonografia onde foi feito o exame de translucência nucal. Ele serve para verificar alguma possível alteração cromossômica, como a Síndrome de Down. Logo após a sage me solicitou um exame de sangue específico para verificar a contagem hormonal. Os dois exames seriam analisados juntos  para ver a possibilidade de haver alteração cromossômica. Se o risco fosse acima do normal, ela me explicou que eles fariam (se eu concordasse) um exame da placenta em que é possível ter certeza do resultado. Sendo positivo, eu poderia solicitar um aborto até a 14a semana. E me falou isso tudo na maior naturalidade, fiquei até um pouco assustada. Não pelo fato do aborto em si, pois aqui na França esta questão está resolvida, uma mulher pode fazer um aborto legalmente. Achei estranho a questão de não prosseguir com uma gravidez desejada pelo fato da criança ter uma alteração cromossômica... Sem julgamentos, é só que este assunto me fez refletir depois...

Vou tentar relatar um pouco da gravidez aqui no blog, principalmente estas curiosidades. Tudo está bem tranquilo por hora... Estou com 4 meses, a barriga deu uma crescidinha, mas não dá para ver que estou grávida ainda. Ainda. Tudo muda de uma semana para outra! Semana que vem estarei no Brasil e espero que a barriga cresça mais e faça a felicidade dos avós que estão loucos para sentir o netinho. :D

A+

Monday, January 20, 2014

Bebê a bordo!

É isso aí, depois de 3 anos de casados e muitas aventuras juntos, vamos embarcar na maior de todas elas!
A primeira ultra oficial.
Um filho estava nos nossos planos, mas nunca era a hora certa. Aliás, nem posso dizer que este é o momento ideal, mas dizem por aí que momento ideal não existe, então resolvemos que seria aqui e agora. Primeiro porque na França eu posso ter um filho em conformidade com o que eu aprecio em relação à gravidez, ao parto, ao sistema de saúde, etc. E também porque eu tinha essa ideia de que se eu fosse mãe, queria engravidar antes do 30. Besteira, claro, mas eu queria, coisa pessoal mesmo... então planejamos bem e aconteceu. :)

Ano passado fui a uma ginecologista em Grenoble fazer um exame de rotina e contar a ela minhas intenções de ter um filho. Conversamos a respeito e ela me disse que eu poderia ficar até um ano tentando que estava tudo bem, só se passasse disso é que eu deveria verificar se havia algum problema de infertilidade. Saí de lá pensando "puxa, 1 ano é muita coisa...". Só que no mês seguinte, engravidei! E apesar de todo o planejamento, é sempre um susto.

A descoberta foi rápida. Comecei a ter algumas dores de estômago diferentes e logo pensei: acho que estou grávida. Comentei com o Fábio e ele queria fazer um teste logo! Porém, achei melhor esperar o primeiro dia de atraso menstrual, já que se o teste for feito muito antes disso pode não apresentar um resultado preciso. Esperamos, fizemos o teste de farmácia pela manhã e confirmamos! No mesmo dia passei no laboratório para fazer um exame de sangue e corroborar o resultado. Confirmado de novo!
Positivo!
Ligamos para nossos pais e irmãos no mesmo dia e todos ficaram super felizes. A tristeza para as futuras vovós foi ter que esconder a notícia até que eu estivesse pronta para torná-la pública. Digo "eu", pois até o Fábio queria espalhar para o mundo. E ele foi ao Brasil em dezembro já sabendo da gravidez, ouvia os amigos falarem de filhos e não podia comentar que seria papai! Imaginem a ansiedade dele.

Eu queria esperar os 3 primeiros meses passarem para contar a todos. Este período pode ser complicadinho e a chance de aborto espontâneo é mais alta, então preferi guardar o segredo e só contar para pouquíssima gente. Aliás, nem sei como funciona no Brasil, mas na França fala-se sobre a possibilidade de aborto no primeiro trimestre de uma forma muito natural. Aqui é necessário declarar sua gravidez para a Seguridade Social, assim todos os direitos e cuidados direcionados à grávida e ao bebê são garantidos. Porém, eles só aceitam esta declaração com o fim do primeiro trimestre. Antes disso eles não reconhecem sua gravidez justamente devido ao risco de aborto... Agora que estou oficialmente no segundo trimestre a novidade ficou pública e desde então tenho recebido o carinho e as energias positivas de muita gente.

Quanto aos sintomas não os tenho muito. Os famosos enjôos não chegaram a mim, nunca vomitei, não tenho desejos específicos de comida, e as dores de estômago que anunciaram a gravidez não apareceram mais. O que sinto mesmo é cansaço. Primeiro atribuí esta fatiga ao trabalho, pois nos 2 primeiro meses estava trabalhando muitíssimo. Depois atribuí à visita do meu irmão a Grenoble, já que viajamos, subimos montanhas, passeamos muito e estávamos num ritmo intenso. Porém, agora não estou trabalhando e nem fazendo atividades que demandam muito esforço físico, mas mesmo assim me sinto cansada. Surreal.

Ah, e para esclarecer perguntas que todo mundo fez.
- O baby não será francês, pois no velho mundo sua origem é importante. Se a mãe e o pai não são franceses, o filho também não é. Então, será um brasileirinho, natural de Grenoble e mineiro de coração.
- Nós ainda não sabemos o sexo e nem desejamos saber. Queremos surpresa.
- O nascimento deve acontecer entre 30 de julho e 06 de agosto. 
- Enquanto ele não puder escolher, ele vai com a gente em todas as viagens!!! 

Ah, e o baby já tem ganhado presentes de viagens que fizemos por aí. Desde que decidimos que um dia teríamos um filho juntos, começamos a comprar uma roupinha de lembrança de cada país que íamos visitando.
Souvenirs!
Ah, tomara que o baby ame viajar também!! :D

A+

Tuesday, January 07, 2014

Mais visitas a Grenoble...

Feliz ano novo!!! As últimas semanas foram pesadas, só agora as coisas ficaram mais calmas e tive tempo de passar por aqui. O mês de dezembro no trabalho foi muito árduo! Acho que nunca havia trabalhando tanto na vida. Fiz bastante hora extra, bastante! E mal meu contrato terminou, meu irmão Alan chegou por aqui e partimos em viagens e passeios por aí. :D

Pois é, meu brother veio nos ver. Primeira vez dele na Europa! Foi muito bom! Tão bom que não vejo a hora dele voltar. Ele foi ao Marrocos primeiro para assistir ao jogo do Galo e em seguida veio para Grenoble. 

Mal chegou e já foi para Marselha com o Fábio assistir ao jogo Olympique de Marseille vs Bordeaux. A cidade fica no sul da França, a menos de 300km de Grenoble, já falei dela aqui no blog. Eles pegaram carona e fizeram um bate e volta no qual puderam ver o jogo e passear um pouco pela cidade. 
Olympique 2 x 2 Bordeaux
No dia seguinte fomos para Barcelona, era o lugar que o Alan mais queria conhecer na Europa. Eu e Fábio já havíamos ido algumas vezes à capital catalã, mas nunca é demais voltar, nunca mesmo. Acho que é uma das cidade mais interessantes que conheço. Passeamos muito e andamos vários quilômetros por dia num inverno bem mais agradável que o francês, definitivamente. 
Cidade que é um museu a céu aberto.
E conheci um lugar que não havia conferido nas minhas outras visitas: o Camp Nou, estádio do FC Barcenola. Foi bem legal!! A gente passa pelo museu do Barça, vê todas as taças que o time já ganhou, os uniformes antigos, as bolas de ouro do Messi, as homenagens aos grandes jogadores da história do clube, etc. Além disso visitamos o estádio em si, o campo, a tribuna de imprensa, o vestiário... E tem uma parte bem interativa onde podemos ver notícias antigas a respeito do time e ainda vários telões onde são reprisados lindos gols de todos os tempos. É uma visita que vale a pena demais em Barcelona!



E na volta a Grenoble, o paraíso para quem ama esporte de inverno e montanhas, fomos fazer trekking na neve em Villard-de-Lans. Quando eu e Fábio fomos lá pela primeira vez, não conseguimos fazer trekking, pois tínhamos ido para a estação de ski, e lá não era uma área legal para caminhar na neve. Desta vez fomos para a montanha em si. Pegamos as direções e fomos nos aventurar por lá. Foi incrível, mas às vezes bem tenso. Fazia muito frio, por vezes ventava muuuuito, e achar as trilha para o caminho todo não foi trivial. E tudo isso deixou o passeio mais divertido e com mais adrenalina.


E ainda fomos numa estação de ski, a Chamrousse, para fazer snowboard. Quer dizer, tentar fazer snowboard, hehe. Eu não tentei, não tenho a menor vontade de fazer isso, mas os meninos bem que se divertiram entre uma queda e outra.



E para finalizar a programação esportiva, fomos a um jogo de rugby. Grenoble vs. Castres. Ganhamos bem no fim e foi emocionante!

Alan ainda ficou aqui para passar reveillon conosco. E neste mesmo dia um amigo nosso, também chamado Fábio, chegou para completar o time. É a segunda vez que ele vem nos ver na Europa, na primeira ele ficou na nossa casa em Londres durante as Olimpíadas 2012. Para a virada de ano fomos para a casa de uns amigos fazer uma farrinha, pois em Grenoble não há muito o que se fazer para comemorar Ano Novo. Foi animado, e começamos o ano em boa companhia! 

E para a despedida, restaurante francês. :P Ah,outra foto tremida, mas só temos esta.

Agora o Alan já está no Brasil e o Fábio está viajando um pouco pela Suiça antes de voltar para casa. E nós em Grenoble retomamos nossa rotina e estamos esperando as surpresas de 2014 chegarem. :D

Bonne Année a tous!!