Sunday, September 20, 2015

Festa dupla!


De volta! Praticamente um post por mês neste blog, estou tão preguiçosa... rs

O Fábio falou do primeiro ano do Dante aqui, mas não falou da comemoração! Não foi uma grande festa, como normalmente são as de um ano. Este tipo de festa não faz muito meu estilo, e já estou me preparando psicologicamente para quando o Dante desejar ter algo assim, pois eu não tenho nenhum jeito para ser anfitriã de grandes eventos. Eu ficaria muito feliz se ele desejasse o estilo francês, onde a festa é da criança e para as crianças. Os pais dos convidados as deixam no local da festinha, vão embora e só aparecem na hora marcada para a festa acabar. Não sei onde nosso pequeno garoto vai crescer, então as futuras comemorações são um mistério. :) A do primeiro ano não foi nem brasileira, nem francesa, foi do jeito dos pais "nômades" e num lugar que ele adora. Fizemos um piquenique no parque!

Fomos num parque lindo e florido! Em pleno verão, o dia estava super ensolarado e foi uma delícia! Chamamos alguns amigos queridos e fizemos nós mesmos umas coisinhas para comer. Claro que tinha pão de queijo e bolo de chocolate!  Foi uma tarde gostosa entre amigos. Nosso pequeno se divertiu muito, brincou com o amiguinho Pedro (única criança na festinha, filho de uma super amiga), comeu muito bolo e correu para todo lado! Ele tinha aprendido a andar umas 2 ou 3 semanas antes e logo começou a querer correr, rsrs. 





Além da festa do Dante, teve a minha! Trinta e um anos, aff, já! Mentira, não teve festa, foi entre família mesmo: eu e meus garotos. Comemorei do jeito que mais gosto atualmente, num restaurante de comida tradicional francesa. Fomos num restaurante indicado por um amigo, Le Château des Arènes. Aprovado! Comemos muito bem, e nossa mesa ficava na área externa, no jardim: foi perfeito! Quer dizer, quase, porque ir a um restaurante com um bebê de um ano não é trivial. Mas a gente tirou de letra e nos divertimos. Foi a primeira vez que pedimos um prato só pro Dante. Lá eles tinham o "menu para criança", com um prato principal menor e sobremesa. 


Falando no prato deste pequeno homem, ele agora quer comer sozinho. Outro dia estávamos jantando, e enquanto a gente come, vai dando comida para ele. Só que neste dia ele começou a não querer comer, fazer birra, tentar pegar a colher, e então eu perguntei, "quer comer sozinho? Pega a colher". Ele pegou e só assim continou comendo numa boa. Ele ainda não tem muita coordenação para pegar a colher, colocar comida e levar a boca. Ele tenta, mas a gente acaba ajudando na tarefa ao direcionar a mão dele no movimento certo para que ele consiga encher a colher, e depois ele leva à boca e come. Uma fofura!

Acho que esta independência vem um pouco da creche, onde ele tem ficado regularmente. E ele tem aprendido uma certa autonomia lá. Assim que entrou, na fase de adaptação, custava a dormir na hora da sesta, chorava e alguém tinha que estar com ele. Hoje, ele sabe que é hora de dormir, vai para a caminha numa boa, sem chorar e dorme tranquilo por mais de duas horas. A creche aqui é muito boa e é super difícil arrumar uma vaga, pois é subsidiada pelo governo. Não é de graça, mas funciona num esquema bem justo: quem pode mais, paga mais e quem pode menos, paga menos. Uma criança que passa, por exemplo, oito horas lá, pode pagar 100 euros por mês, enquanto outra que fica exatamente as mesmas horas, pode pagar 400 euros. Estes valores são apenas exemplos, o fato é que a diferença da mensalidade entre as crianças pode ser bem grande. Eu acho ótimo o fato de crianças de diferentes classes sociais estarem juntas compartilhando o mesmo espaço. 


Paro por aqui, mas volto logo, pois tenho que contar sobre meu novo trabalho. Pois, é!!! Voltei a trabalhar!!! Poucas horas por semana, mas já é um começo. :)

Até!